quarta-feira, 26 de junho de 2013

Nas nuvens - Descortinando Francisco Otaviano Rosa (poeta)




Ah que mundo lindo
sempre bem tratado
aquecido e protegido

Ah que mundo belo
flores em volta
rosas e papo amarelo 

Ah que mundo perfeito
como se fosse uma nuvem
no meu céu de direito

Ah que mundo único
nasci e morrerei aqui
onde sempre tive tudo

Joakim Antonio 










Ilusões da vida - Francisco O. Rosa  

"Quem passou pela vida em branca nuvem,
 E em plácido repouso adormeceu;
 Quem não sentiu o frio da desgraça,
 Quem passou pela vida e não sofreu;
 Foi espectro de homem, não foi homem,
 Só passou pela vida, não viveu."




Francisco Otaviano de Almeida Rosa (Rio de Janeiro, 26 de junho de 1825 - Rio de Janeiro, 28 de junho de 1889) foi um advogado, jornalista, diplomata, político e poeta brasileiro. É o patrono da Cadeira n. 13, por escolha do fundador Visconde de Taunay.

Poeta desde menino, não se dedicou suficientemente à literatura. Ele mesmo exprimiu com frequência a tristeza de haver sido arrebatado à poesia pela política, por ele chamada de "Messalina impura", num epíteto famoso. Apesar da carreira fácil, respeitável e brilhante, cultivou sempre a nostalgia das letras. 

Sua obra poética representa uma espécie de inspiração do homem médio, mas não banal, o que lhe dá, do ponto de vista psicológico, uma comunicabilidade aumentada pela transparência do verso, leve e corredio. Em torno do eixo central de sua personalidade literária se organizam as tendências comuns do tempo, num verso quase sempre harmonioso e bem cuidado.

Nas suas traduções de Horácio, Catulo, Byron, Shakespeare, Shelley, Victor Hugo, Goethe, revela-se também poeta excelente. Ficou para sempre inscrito entre os nossos poetas da fase romântica, mesmo que não tenha exercido a literatura com paixão, e o patriota que foi dá-lhe lugar entre os grandes vultos brasileiros do século XIX.

Fonte: Academia Brasileira de Letras



Imagem 1: C
aged by Arcius Azrael

Um comentário:

  1. Oi amigo Joakim
    Bom saber que seu mundo é belo, apesar de tudo.
    Abraço

    ResponderExcluir

"Quando escrevo minhas idéias tornam-se a pena e minha alma a tinta, por isso quando você lê, você me sente."

Deixe-me saber o que você sente.

Obrigado por comentar!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...