segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Transpassando




Poesia

Transpassa qualquer compartimento e por não ter, em sua essência, nada que lhe tolha a forma. Se achega, se amolda, transforma.

Joakim Antonio


Imagem:  Azzurro by ValentinaWhite

domingo, 20 de agosto de 2017

Com a palavra, O poeta - Descortinando Cora Coralina (poeta)

Mulher sertanejalivre, turbulenta, cultivadamente rude...


Cora Coralina, de Goiás

Este nome não inventei, existe mesmo, é de uma mulher que vive em Goiás: Cora Coralina.

Cora Coralina, tão gostoso pronunciar esse nome, que começa aberto em rosa e depois desliza pelas entranhas do mar, surdinando música de sereias antigas e de dona Janaína moderna.

Cora Coralina, para mim a pessoa mais importante de Goiás. Mais do que o Governador, as excelências parlamentares, os homens ricos e influentes do Estado. Entretanto, uma velhinha sem posses, rica apenas de sua poesia, de sua invenção, e identificada com a vida como é, por exemplo, uma estrada.

Na estrada que é Cora Coralina passam o Brasil velho e o atual, passam as crianças e os miseráveis de hoje. O verso é simples, mas abrange a realidade vária. Escutemos:

"Vive dentro de mim/ uma cabocla velha/ de mau olhado,/acocorada ao pé do borralho, olhando pra o fogo." "Vive dentro de mim/a lavadeira do rio Vermelho. Seu cheiro gostoso d'água e sabão." "Vive dentro de mim/a mulher cozinheira. Pimenta e cebola. Quitute bem-feito." "Vive dentro de mim/a mulher proletária./Bem linguaruda,/desabusada, sem preconceitos." "Vive dentro mim/a mulher da vida./Minha irmãzinha.../tão desprezada /tão murmurada...".

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Estrelando



Minúscula flor
maiúsculo floco
estrela do inverno

Joakim Antonio 



Imagem: https://www.instagram.com/poetajoakimantonio/

domingo, 13 de agosto de 2017

Sua Mão - Dia dos Pais



Pai, me dê sua mão, para que eu a segure daquele mesmo modo, quando nos vimos pela primeira vez.
Pai, afague meus cabelos, nesse dia sozinho, porque ando precisando tanto, muita mais do que queria.
Pai, me pegue no colo, de novo, para que eu sinta, mesmo em sonhos, o calor dos braços teus.
Pai, canta uma canção, sem se preocupar se é hipocritamente correta, aquela mesma, do boi da cara preta.
Pai, me ensina contar mais, já separei nosso papel do açougue e a caneta piloto, só falta você aqui.
Pai, fala meu nome, de novo, de novo e de novo, o seu neguinho continua aqui, esperando você acordar.
Pai, eu sei, é que faz tanto tempo, são tão poucas lembranças, mais sentimentos e menos palavras.
Pai, comemoramos tão pouco, apenas 6 anos, mas estou feliz com o que pôde me ensinar.
Pai, eu estou seguindo o caminho, acertando e errando, mas sorrindo, assim como você fazia.
Pai, dá um abração no nosso outro Paizão aí e diz obrigado, por ter deixado conhecê-lo antes de partir.
Pai, não se preocupe, ainda sinto sua mão, sempre mais forte, me guiando e ensinando a escrever.

Pai 

Parabéns e Obrigado

Eu Te Amo


Joakim Antonio


Parabéns a todos os pais e pessoas que fazem, ou evocam o papel de pai. Todos os dias você merecem ouvir, "Eu te amo!". 

sábado, 12 de agosto de 2017

Um minuto de silêncio - A noite dos poetas assassinados



Quando um poeta morre, a natureza cala-se.


Joakim Antonio


      A noite dos poetas assassinados


© Jane Bichmacher de Glasman*

      O ano é 1952, último ano da vida de Stalin. O lugar, Rússia, União Soviética. O dia, 12 de agosto. Mais especificamente, a noite de 12 para 13 de agosto de 1952.
      Nesta data, cerca de 15 judeus soviéticos, incluindo os mais proeminentes escritores, poetas, e artistas judeus russos de língua ídishe foram secretamente julgados e condenados por crimes capitais, incluindo traição, espionagem e nacionalismo burguês.
      Eles eram visados devido à sua participação no Comitê Anti-Fascista Judaico e à sua resposta como judeus às atrocidades nazistas no território soviético ocupado.
      Nesta noite eles foram executados por ordem de Josef Stalin, no calabouço da infame prisão da praça Lubyanka em Moscou.
      Entre as vítimas estavam Peretz Markish, David Bergelson, Itzik Fefer, Leib Kvitko, David Hofstein, Benjamin Zuskin, Solomon Lozovsky, Boris Shimeliovich Dovid Bergelson e Der Nister.
      A data é lembrada como a “noite dos poetas assassinados.”

Itzik Fefer, Albert Einstein e Solomon Mikhoels, em 1943

      Seus escritos mostram pouco da nostalgia ou devoção que vemos nas descrições da cultura ídishe[1] o pré-Holocausto. Todos eles - os poetas Peretz Markish, Dovid Hofshteyn, Itzik Fefer, Leyb Kvitko e o novelista Dovid Bergelson - assistiram a Revolução soviética em 1917. A maioria havia se mudado do shtetl[2], das aldeias da Pale[3], para Kiev e Moscou, em busca de liberdade intelectual e artística no fervor do modernismo do princípio do século XX. Todos apoiaram o estado comunista emergente.

Ouvimos sua vibração na abertura do poema[4] sem título de Markish:

Eu não sei se eu estou em casa
ou desabrigado.
Estou correndo, minha camisa
sem botões, sem limites, ninguém
me segura, sem começo,
sem fim
meu corpo é espuma
cheiro de vento
Agora 
é meu nome.

Seu sentido do futuro ecoa na estrofe do poema “Cidade” de Hofshteyn:

Cidade!
Eu cheguei em teu porto
no navio de minha solidão.
O navio de minha solidão…
Eu lavei suas velas
nos ventos…
Elas definharam e rasgaram
nos comprimentos e nas larguras
do mundo.

      Eram férteis escritores. Após anos no exterior, em Berlim e na Palestina, de 1923 a 1926, Hofshteyn retornou à União Soviética e publicou numerosos volumes de poesia e traduções. Markish fundou o movimento ídishe modernista conhecido como Khaliastre durante seus anos em Varsóvia. Após seu retorno à Rússia, foi-lhe concedido o Prêmio Lênin de Literatura em 1939. Fefer editou os jornais ídishes Prolit e Desafio e tornou-se membro da União de Escritores Soviéticos. Em 1943, viajou aos Estados Unidos com o ator Solomon Mikhoels atraindo audiências maciças em Nova York em apoio ao trabalho da liga Anti-Fascista.

Por que eles foram assassinados?

      Todos estavam relacionados ao Comitê Anti-Fascista Judaico, estabelecido em 1942 pela União Soviética para atrair o apoio das comunidades judaicas dos Países Aliados na guerra contra Hitler. Com o fim da guerra, a organização já não era mais útil a seus propósitos. Stalin, como soía fazer, virou-se contra seus líderes. Prendeu a maioria entre 1948 e 1949, levou a julgamento em 1952 – culminando com sua execução na noite de 12 de agosto no porão da prisão Lubyanka.
      As mortes destas figuras centrais na literatura ídishe soviética representaram novo golpe à cultura judaica já devastada pelo Holocausto. Silenciaram o núcleo remanescente de intelectuais ativos politicamente e excluíram presumir que tal cultura pudesse sobreviver na Rússia pós-guerra.
      É difícil para alguns de nós recordar agora o otimismo inicial inspirado pela revolução soviética. Tendemos a ter pouca simpatia pelos escritores que compuseram cantos para os trabalhadores ou para Stalin, como vários destes homens.
      Mas com isto nós nos esquecemos de nossas próprias vidas: como nos comprometemos para ganhar a vida; como um ano se transforma 5, em 10; como permanecemos em um trabalho ou em um relacionamento demasiado longo, sem esperança, ou porque nós amamos.
      Esquecemos também das difíceis opções dos artistas judeus daquela época, já estranhos às suas tradições, que não obstante criaram um lar, tentando realizar em alguma medida sua esperança. E esquecemos da ruína gradual mas catastrófica forjada por Stalin.

Uma voz mais pungente para o que foi perdido pode ser ouvida no clamor de Hofshteyn:

Meu amor, meu amor puro!
uma chamada a que sempre atentei
muda, carreguei-a
mil dias:
acima da cabeça cinzenta de meu povo,
para ser
um brilho jovem!

Brilho desperdiçado: interrompido, silenciado e recordado como o que se torna tão distante...
Honremos sua memória com alguns versos destes poetas.

Como seu fim, profética e tragicamente anunciado por Kvitko, em 1919, em “Morte Russa”:

Morte russa

é toda a morte.
Dor russa
é toda a dor.
Como está agora o coração do mundo?
E a sua ferida purulenta?
Pergunta a uma criança.
Pergunta a uma criança judia.

Publicado em Visão Judaica Ed. 62, outubro de 2007. (PDF)

* Doutora em Língua Hebraica, Literaturas e Cultura Judaica -USP, Professora Adjunta, Fundadora e ex-Diretora do Programa de Estudos Judaicos –UERJ, escritora.

[1] Ídishe- idioma judaico originado do alemão grafado em caracteres e com muitos vocábulos hebraicos.

[2] Shtetl (do ídishe: cidadezinha) é o nome ídishe das cidades judaicas na Europa oriental (Polônia, Rússia, Belarus 
etc.). 
[3] Sob o governo czarista, os judeus não tinham permissão para viver fora do Território de Assentamento (Pale), uma região da Rússia, onde, até 1907, massacres eram uma ocorrência comum. 
[4] Os poemas foram traduzidos pela autora deste artigo. Para ler mais deles e sobre eles contate a mesma. 


Para saber mais:

Português

  • Judeus na União Soviética (1917-1991) em Cybersio

English

  • Night of the Murdered Poets, with more links in Wikipedia


Imagens:

1. Silence by fokkusunm
2. Itsik Fefer and Shlomo Mikhoels meet with Albert Einstein. Princeton, 1943. (YIVO Archives)

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Linhas marcadas


Mundo de linhas, retas e obtusas.

Repleto de avisos, a nos incomodar.

Proibido Estacionar.


Joakim Antonio



Imagem: https://www.instagram.com/poetajoakimantonio/


quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Mudanças



Eu faço o que todos fazem

Pouco muda

Eu faço o que poucos fazem

Muda tudo





Imagem: This could change the world by Angelaart

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Reza asas



Rezo asas
sopro desejos
canto provocação

Trazei-me
novas loucuras
além da imaginação

Joakim Antonio

Imagem: You're My Butterfly by GeheimnisBild

sábado, 5 de agosto de 2017

Cercados




Andamos tão cercados, que não sei mais de que lado estou. 

Joakim Antonio 


Imagem: https://www.instagram.com/poetajoakimantonio/

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Espreitando



Colocaram uma torre de celular, ao lado da igreja.
Onde Deus está, o Diabo sempre espreita. 


Joakim Antonio


Imagem by JoaKim

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Reta


Investiu toda grana num curso de corte e costura, mas perdeu a vaga por conta de uma escoliose!

Joakim Antonio


Imagem: Cartaz com oportunidade de emprego: Costureira (reta)

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Folhas raras


Hoje em dia, não é qualquer um que penetra no segredo da árvore, preferem terrenos abertos, sem grama molhada, ao cheiro de relva e fruto, a ponto de colher. Não sabem o sabor do mel, não chupam manga sem guardanapo e não se lambuzam no querer. Parecem ter dedos a menos e mãos frágeis demais, sem calos pro que importa, perdendo a força de ser.

Não sabem mais como plantar, nem tampouco colher.

Joakim Antonio
 


Photo by Olga Zavershinskaya

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Apontados



Cortaram-lhes
os pulsos
de modo errado

Cortaram-lhes
na carne
até a alma

Cortaram-lhes
a visão
dos intentos

Cortaram-lhes
na frente
dos dois lados

Eunucos do espírito
restou apontar
sem parar

Joakim Antonio


Photo by Sinan Arslan

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...