sexta-feira, 31 de julho de 2015

Findando



Quinta se foi

Sexta está

Sábado virá

Comendo a semana

Cevando o Domingo

Pra recomeçar


Joakim Antonio


quinta-feira, 30 de julho de 2015

Simplificando - Descortinando Mario Quintana (poeta)



Quando saía à rua,
evocava Tolstói.
Fugia de casa,
aberto a caminhos,
seguindo
alma e coração.
Num momento inesperado,
ele chegou.
Veio ao mundo
já sabendo,
que o tempo,
não passa de ilusão.
Farmacêutico da vida,
receitou o simples.
Letras certeiras
são remédio, que
descomplicam dores,
sem remediação.
A linha do seu destino,
o poeta escreveu.
Desde menino,
dando mão ao sonho,
fez da vida
linda canção.

Joakim Antonio



A verdadeira arte de viajar 

A gente sempre deve sair à rua como quem foge de casa, 
Como se estivessem abertos diante de nós todos os caminhos do mundo. 
Não importa que os compromissos, as obrigações, estejam ali... 
Chegamos de muito longe, de alma aberta e o coração cantando! 


(Quintana in “A cor do invisível”) 





Mario Quintana nasceu em Alegrete, dia 30 de julho de 1906 e, com 20 anos, vem morar em Porto Alegre. Morou no Hotel Majestic de 1968 a 1980.

Publicou mais de 20 livros, sem contar as antologias. O primeiro, aos 34 anos, “A Rua dos Cataventos”. O último, em 1990 “Velório sem Defunto”. Com Sapato Florido, Pé de Pilão, Caderno H, Esconderijos do tempo, Lili inventa o mundo, consagrou-se como poeta do cotidiano e lirismo, e um dos ícones da literatura brasileira.

Poeta, jornalista e tradutor, trabalhou nos Jornais O Estado do Rio Grande e no Correio do Povo (com sua coluna Caderno H). Como tradutor, notabilizou-se com sua impecável tradução de Proust. Traduziu a literatura européia, como Giovani Papini, Virginia Woolf, Voltaire, entre outros.

Morreu em 5 de maio de 1994, aos 87 anos, imortalizado pela Casa de Cultura que leva seu nome e, principalmente, pelo Quarto do Poeta, uma reconstituição fiel com móveis e objetos pessoais do escritor.

Clique Aqui para visitar o site, criado comemoração aos 100 anos do poeta.


Imagem 1: Quarto V by  Itamar Aguiar


Imagem 2: CCMQ by Liane Neves

Vórtice imaginativo - Descortinando Ezra Pound (poeta)

Ezra Pound by Jericob 
Já é esperado do Poeta
SABER. Navegar em rumos
certos de IN_certas
palavras que sempre foram.
Vivendo a deriva nesse barquinho
enfeitado de crostas, ViVas.
Signos.inertes.se.aglutinando
para formar um quase chão.

NO corpo das palavras,
somatótipos diversos.
No verso do rosto,
ângulos hÁ, vértices Vê.

Repagina a imagem da imagem,
olhando para o próprio umbigo.

Ainda conectado ao vórtice original.

Joakim Antonio


"Ele foi para a poesia deste século o que Einstein foi para a física", disse E.E.Cummings, corroborado por Hemingway: "Um poeta deste século que afirme não ter sido influenciado por Ezra Pound merece mais a nossa piedade que a nossa reprovação".¹


E ASSIM EM NÍNIVE

"Sim! Sou um poeta e sobre minha tumba
Donzelas hão de espalhar pétalas de rosas
E os homens, mirto, antes que a noite
Degole o dia com a espada escura.

"Veja! não cabe a mim
Nem a ti objetar,
Pois o costume é antigo
E aqui em Nínive já observei
Mais de um cantor passar e ir habitar
O horto sombrio onde ninguém perturba
Seu sono ou canto.
E mais de um cantou suas canções
Com mais arte e mais alma do que eu;
E mais de um agora sobrepassa
Com seu laurel de flores
Minha beleza combalida pelas ondas,
Mas eu sou poeta e sobre minha tumba
Todos os homens hão de espalhar pétalas de rosas
Antes que a noite mate a luz
Com sua espada azul.

"Não é, Ruaana, que eu soe mais alto
Ou mais doce que os outros. É que eu
Sou um Poeta, e bebo vida
Como os homens menores bebem vinho."

Ezra Pound (tradução de Augusto de Campos)


Ezra Weston Loomis Pound (Hailey, 30 de outubro de 1885 — Veneza, 1 de novembro de 1972) foi um poeta, músico e crítico literário americano que, junto com T. S. Eliot, foi uma das maiores figuras do movimento modernista da poesia do início do século XX. Ele foi o motor de diversos movimentos modernistas, notadamente do Imagismo³ e do Vorticismo(4).

Obra e influência

Sua obra, carregada de citações e alusões históricas, permanece uma das mais controversas da poesia deste século. A influência de Ezra Pound e do seu projecto de renovação da linguagem poética fez-se sentir em Joyce, Yeats, William Carlos Williams e particularmente em T. S. Eliot, que submeteu o manuscrito da sua obra The Waste Land à apreciação de Pound antes de o publicar em 1922. As correcções feitas por Pound mereceram-lhe a dedicatória de Eliot: "For Ezra Pound, il miglior fabbro" (A Ezra Pound, o melhor artífice).²


1.Frase e poema: O Poema

2.Biografia: Wikipedia

3.Imagismo: Infoescola

4.Vorticismo: Infoescola

Excelente artigo de  Rodrigo Petrônio, Ezra Pound: o calor convida à sombra: Revista Agulha

Página com biografia, poemas e frases  de Ezra Pound (em inglês): PoemHunter

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Remendando – Palavra expressa




Fragmentos de ideias

Geometria de palavras

Expressões delineadas

Retornando para casa


Vidas construídas

Momentos máximos

De falsas premissas

Transformadas


Fragmentos de coração

Pulmão e alma

Costuras bonitas

Invisíveis cicatrizes


Eu, tu e os outros

A mesma casa

Quartos estilizados

Uma só vida


Pedaços de ontem

Momentos de agora

Futuro do pretérito

Sempre imperfeito


Colagens de si mesmo


Joakim Antonio



Publicado originalmente na coluna Palavra Expressa, em Retratos da Alma.


Imagem: The Patchwork Girl of Oz by Idiehl 

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...